Segunda-feira, 30 de Janeiro de 2012
Leve, leve! Day 1

Esta foi a primeira expressão que ouvi quando aterrei em São Tomé. É tudo “leve, leve”, devagar devagarinho, vai-se fazendo, tudo demora o seu tempo.

 

Quando aterrei no aeroporto, (chega um avião por semana de Portugal a São Tomé), o revisor dos passaportes ainda não tinha acordado, pelo que tivemos que esperar 1hora e meia na brasa do calor que já se fazia sentir às 5h30. Veio logo um cão dar-nos as boas-vindas, que a minha amiga batizou de cão zen, pelo olhar sereno e pacífico com que olhava para nós, aliás como todos os São tomenses - nunca vi um povo tão amável e bem-educado.

 

A chegada de um avião português é uma festa. Primeiro porque só acontece uma vez por semana e segundo porque significa trabalho para os são-tomenses, que estão todos ávidos à espera de apanhar um turista a quem servir de guia na Ilha.

 

Há guias para tods os gostos: com cartas de condução, sem carta de condução, dj´s chamados “The Best”, "Danger" ou “Jackson”. O que é certo é que ninguém tem um nome português, são todos importados do estrangeiro, ou melhor das revistas cor-de-rosa.

 

O primeiro a abordar-nos fazia-se chamar “Amilcar levezinho”, uma verdadeira simpatia, que quase nos cativou se não fosse o facto de os rivais virem comentar-nos que não tinha carta de condução.

 

De seguida enfiamo-nos no transfere que nos levaria a Porto Baleia, onde apanharíamos o barco para o Ilhéu das Rolas.

 

Só essa viagem de autocarro deu para conhecer quase a ilha inteira. E não era só para os turistas, mas para todos os trabalhadores que começavam o seu turno nesse dia. A cada paragem parecia que os lugares nasciam do nada, havia sempre lugar para mais um.

 

Houve vários pontos onde tivemos de descer para o autocarro conseguir passar, as estradas eram estreitas e o mau tempo desmoronava parte delas. Mas ninguém se importava e toda a gente prosseguia alegre e bem-disposta!

 

A roupa e a louça eram lavadas nos rios. Pelo caminho via-se a roupa estendendida nas pedras à beira-rio a secar. As crianças lavavam os tachos e as panelas.

 

Quando chegámos ao porto de embarque tirei as minhas primeiras fotografias a duas crianças lindas que já vos vou mostrar. E ai se iniciou uma aventura inesquecível.



publicado por Marta às 16:14
link do post | comentar | adicionar aos favoritos

.mais sobre mim
.pesquisar neste blog
 
.posts recentes

. Nos 120 anos do nasciment...

. Os toureiros também rezam

. Praça Afonso de Albuquerq...

. Os Campinos a agruardar o...

. Capa de Mário Coelho

. Capa de Mário Coelho

. À espera da homenagem a F...

. A tradição manda!

. Duas crianças recriam a t...

. O cortejo com a Praça de ...

.arquivos

. Julho 2015

. Outubro 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

.tags

. todas as tags

.Copyright
Licença Creative Commons
Esta obra foi licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição - Uso Não Comercial - Obras Derivadas Proibidas 3.0 Não Adaptada.
.subscrever feeds