Terça-feira, 19 de Março de 2013
No fio da tua fala.


publicado por Marta às 07:19
link do post | comentar | adicionar aos favoritos

Segunda-feira, 18 de Março de 2013
The Pursuit of Happiness, by Darrin McMahon

Este livro foi dos melhores, mais completos e ineteressantes que li até hoje. Trata-se de uma viajem pela história das ideias numa tentativa constante do homem se encontrar a si próprio e consequentemente, a sua felicidade. Desde a religião á política tudo passa pela busca de uma solução positiva para que possamos viver no melhor dos mundos possíveis.

 

Encontrei esta crítica em inglês, que me pareceu ser boa.

 

Halfway through this prolix book, Darrin McMahon alights upon a dictum from the spurned mistress of Voltaire, the Marquise du Châtelet. "To be happy", the unhappy Marquise wrote, "one must be susceptible to illusions, for it is to illusions that we owe the majority of our pleasures." Such a saying, uttered in the heady century of the Enlightenment, invites contradiction as much as melancholy. For it was the Enlightenment more than any other age which defined the meaning of existence through the pursuit of happiness. If happiness requires illusion, then it must be impossible to be enlightened and happy.

 

This is one example of an unexpected facet of McMahon's intellectual history of happiness: the contradictions of happiness. We believe that our happiness lies in satisfying our desires. Yet, as McMahon shows, modern scientific research reveals that we exaggerate the fulfilment we will derive from anticipated pleasures. The Enlightenment believed it to be its duty to promote happiness but many at the time, such as Rousseau, soon questioned whether development did not in fact lead to unhappiness. And the Marxist "scientists" of happiness merely produced misery on a vast scale.

 

Contradictoriness, and the ability to hold contradictory beliefs, is among the most characteristic human qualities. Yet contradiction is an unannounced character in McMahon's book, and one suspects it is unwelcome. Philosophers are trained to produce systems and analyses which are coherent, and lacking in contradiction. While this sort of training is essential in the rigorous, conceptual vocabulary of any language, it may be less fruitful when it comes to discussing happiness - which is nothing if not human (and contradictory).

 

Such concerns do not appear to have troubled McMahon. He boldly announces in his introduction that a history of happiness "should be an intellectual history, a history of conceptions of this perennially human end". The human experience of happiness, as opposed to its conceptual forms, is to have little place in this account. Rather in the manner of Georges Perec, who wrote the novel La Disparition without the letter "e", McMahon cuts off a vast range of potential with this one fell swoop. Unlike Perec, however, he is not a brilliant novelist, and one suspects that his desire to write an intellectual history may have not a little to do with his belief that such a history will be easier for him to write.

 

So McMahon launches into what is an unprecedented history of the philosophy of happiness. While one can have serious concerns about his ground rules, the energy and verve with which he runs through the canon of Western philosophy and its views on this important subject is admirable. He begins with Herodotus and moves right through to Samuel Beckett, appearing equally at home with Beethoven, Freud and Thomas Aquinas. It is a remarkable display of erudition, if not wisdom.

 

In among such variety, there are some highly readable accounts. The discussion of Schopenhauer is particularly rich in its portrayal of the philosophy of pessimism. The passage on Romanticism is also brilliant in its impressive juxtaposition of 19th-century European literature - Heine, Keats, Schiller, Shelley - with that curious philosophical contradiction: that a mood of melancholy and ennui developed alongside the Enlightenment's promotion of happiness.

 

One of the important things to emerge from this historical approach is that happiness is a concept heavily dependent on cultural atmosphere. The view of the ancient Greeks was that no person could be declared happy until they were dead, since untold calamities might intervene before their demise. Happiness was then a "characterisation of an entire life that can be reckoned only at death" - a notion which, were it widely held today, would force the entire self-help industry to the wall.

 

This sort of "happiness" is specific to the Greeks. Likewise, the idea of happiness as related to property and consumption depended on what McMahon calls the central creed of the new "secular religion" that developed at the end of the 19th century: economic growth.

Yet this strength of McMahon's book also reveals its central weakness. For this cultural specificity betrays the flaws in trying to write a general book on happiness without dealing with how it is experienced in different cultures.

 

The very idea of an intellectual history implies that cultures where ideas are transmitted orally can have little value in the history of happiness. And yet, if ideas of happiness are specific to culture, one suspects that it is precisely in thinking about the vast cultural differences in the idea of happiness, and in its experience, that some of its universal traits may emerge.

 

Thus one of the recurring themes to emerge is the complex relationship in Western philosophy between the concepts of desire, pleasure and happiness. Innumerable philosophers have written of the connection between the satisfaction of desire and happiness. Once an individual satisfies (say) their desire to write a major work on the history of happiness, they become happy.

 

Yet this emphasis requires a particular understanding of the relationship of desire and the object of desire which is itself specific. In parts of the world with a more communal mode of raising children, there may be a fundamentally different relationship of subject and object to that experienced in the atomic/neurotic family structures of developed economies.

 

In fact, as most writers know, the satisfaction of the desire to complete a book rarely leads to happiness; anxiety about sales is a more common emotion. One hopes that, for McMahon, things will be different. Yet if, as he admits, restlessness is essential to human nature, even the satisfaction of the desire for a million-copy bestseller might only spawn a different type of disquiet.

 

Perhaps, indeed, the very concept of happiness is itself only an illusion, an attempt to define something that can never be grasped intellectually, but only experienced fleetingly. If this is indeed the case, then the attempt to historicise happiness without examining its experience imaginatively is rather like trying to write a history of food without discussing the pleasures of eating. It becomes an exercise lacking in taste, but full of the sort of illusory meaning upon which (perhaps) the happiness of each of us depends.

 

P.S. Don´t let anyone or anything take your joy away under any circunstances.

Ass. Marta



publicado por Marta às 15:38
link do post | comentar | adicionar aos favoritos

Domingo, 17 de Março de 2013
Um rapaz especial

 

 

Hoje fui ao cinema. Há muito tempo que não ia por falta de tempo. Levei os meus filhos e vimos um filme único: A Vida de Pi.

 

Não gosto de ver qualquer filme, tem que ter a ver comigo. Há filmes que já foram muito premiados que até hoje ainda não tive vontade de ver. Não gosto de filmes violentos, não gosto de filmes neuróticos, não gosto de filmes que não nos renovem a alma e não tenham um significado muito especial.

 

Há filmes que têm uma critica negativa e dos quais podemos gostar imenso, assim como há filmes muito abalados que podem não nos dizer nada. Há filmes que nos fazem pensar e sentir, e A Vida de Pi é um deles.

 

Era uma vez um menino chamado Pi, que vivia na India. O nome pi é uma abreviação de Piscina, onde o seu o tio o levava diáriamente pois dizia que a natação mantinha a alma limpa. Claro que na escola todos gozavam com ele, chamando-lhe “pissed” e outras coisas que tal, até que cresceu, começou a estudar o conceito de pi em matematica,  e quando se apresentava, explicava o que o conceito de pi queria dizer. De gozar com ele passaram a admirá-lo.

 

O pai de Pi tinha um trabalho curioso, era dono de um jardim zoológico. Assim, Pi cresceu e viveu rodeado de animais. Pi tinha uma relação especial com os animais pois acreditava que eles tinham alma, e como tal, não tinha medo deles pois achava que o homem e o animal partilhavam as mesmas emoções.

 

Um dia Pi resolveu ir visitar um tigre e dar-lhe de comer. O irmão fugiu com medo e ele permaneceu perto da jaula com um bocado de carne na mão a acreditar que aquilo seria possivel de fazer sem colocar em risco a sua vida. O tigre reparou nele, não só nele, mas no seu olhar sereno e seguro, avançando para ele sem violência, devagar. O tigre chamava-se Richard parker, o nome do homem que o caçou.

 

À medida que Pi crescia o seu interesse pela religião e pelo significado da vida aumentava, identificando-se tanto com o catolicismo como com o hinduismo e o islamismo. O seu pai que era 100% racional, não o levava a sério.

 

Certo dia a sua fé é posta á prova. O pai vê-se obrigado a deixar o jardim zoológico para trás e a refazer a sua vida, levando consigo a sua família e os animais a bordo de um barco rumo ao Canada, á procura de uma vida melhor.

 

Mas o inesperado acontece. O barco naurfraga e ninguém sobrevive, excepto Pi, O tigre, um orangotango, uma zebra e uma hiena que são colocados num barco salva vidas. Pi vive 227 dias perdido no mar, em que o tigre e ele são os únicos resistentes. Esta viagem espiritual caracteriza-se por um teste de resistência física, mental, e sobretudo de fé. Segundo Pi, foi o tigre que o salvou pelo  temor que lhe despertava, o que o obrigava a estar sempre a alerta, mas também pela companhia que lhe fazia e pelo elo que se criou entre os dois.

 

Para um ser espiritual como Pi, a natureza é um verdadeiro fascínio: as tempestades, o por do sol, a vida debaixo do mar, a beleza das ilhas, etc...entregando-se á natureza por inteiro.

 

O filme acaba quando Pi e Richard Parker, o tigre, chegam á Costa do Mexico. Chega o momento da separação e de cada um regressar ao seu habitat natural, o animal porque é um animal, e o homem porque é um homem. Sem olhar para trás o tigre adentra-se na selva. Pi deixa-se cair na areia até que os locais o vêm salvar.

 

Rápidamente 2 jornalistas surgem no hospital para pedir explicações acerca do naufrágio. Pi primeiro conta a sua versão,á qual eles respondem “isso não vende”. Então, conta a segunda, em que troca os nomes dos animais por nomes de pessoas e deste modo a história torna-se aceitável. Nada mudou, apenas os nomes.

 

Sempre achei que os animais tinham alma, e há pessoas o suficientemente sensíveis para perceber isto e muito mais.



publicado por Marta às 16:07
link do post | comentar | ver comentários (4) | adicionar aos favoritos

Esta voz ultrapassa-me

 

Há músicas que em determinado momento fazem sentido


publicado por Marta às 16:03
link do post | comentar | adicionar aos favoritos

Segunda-feira, 11 de Março de 2013
Se Queremos Alcançar Neste Mundo a Verdadeira Paz

Se queremos alcançar neste mundo a verdadeira paz e se temos de levar a cabo uma verdadeira guerra contra a guerra, teremos de começar pelas crianças; e não será necessário lutar se permitirmos que cresçam com a sua inocência natural; não teremos de transmitir resoluções insubstanciais e infrutíferas, mas iremos do amor para o amor e da paz para a paz, até que finalmente todos os cantos do mundo fiquem cobertos por essa paz e por esse amor pelo qual, consciente ou inconscientemente, o mundo inteiro clama.


Mohandas Gandhi, in 'The Words of Gandhi'

 

 

 



publicado por Marta às 14:43
link do post | comentar | adicionar aos favoritos

.mais sobre mim
.pesquisar neste blog
 
.posts recentes

. Nos 120 anos do nasciment...

. Os toureiros também rezam

. Praça Afonso de Albuquerq...

. Os Campinos a agruardar o...

. Capa de Mário Coelho

. Capa de Mário Coelho

. À espera da homenagem a F...

. A tradição manda!

. Duas crianças recriam a t...

. O cortejo com a Praça de ...

.arquivos

. Julho 2015

. Outubro 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

.tags

. todas as tags

.Copyright
Licença Creative Commons
Esta obra foi licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição - Uso Não Comercial - Obras Derivadas Proibidas 3.0 Não Adaptada.
.subscrever feeds